Quantas vezes temos que perdoar?

Mt 18.21 – “Então Pedro, aproximando-se dele, lhe perguntou: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu hei de perdoar? Até sete?”

A nossa caminhada é repleta de situações onde somos feridos. Na grande maioria das vezes nossas dores de alma são causadas por pessoas que amamos muito, que convivem conosco no nosso dia-a-dia.

Pedro já sabendo que o perdão é uma das ordenanças de Deus para nós, e quem sabe, como uma pessoa sistemática, tratou de perguntar a Jesus quantas vezes teria que perdoar o irmão. Da mesma forma que ele, muitas vezes queremos colocar um limite para o nosso perdão, como se pudéssemos definir a quantidade de erros das pessoas – de que forma, se mal conseguimos limitar os nossos próprios erros?

Para este assunto de perdão o Senhor demonstra seu amor claramente, ao responder a pergunta de Pedro:

Mt 18.22 – “Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete; mas até setenta vezes sete.”

Uma coisa que chama atenção na Palavra é o fato de que depois de Pedro ter feito essa pergunta – talvez movido pela percepção de erros repetidos de alguém – ele próprio precisou ser perdoado por Jesus. O Mestre, que lhe orientara sobre a quantidade de perdão que deveria ser liberado, foi vítima das três vezes em que Pedro lhe negou.

Mt 26.70 – “Mas ele negou diante de todos, dizendo: Não sei o que dizes.”

Segundo a Bíblia, somos todos pecadores, carecemos do favor de Deus. Mas é muito fácil considerarmos as nossas necessidades, difícil é quando temos que ficar diante daqueles que nos maltrataram e liberar o perdão.

Rm 4.7 – “Bem-aventurados aqueles cujas iniquidades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos.”

Deus quer nos ensinar a viver um novo padrão, um modelo de cura e libertação onde poderemos ser livres através do perdão.

“Se as pessoas erraram, não podemos morrer por causa delas, não podemos sofrer eternamente pelo erro do outro, ainda que nos tenha prejudicado”

AP. RENÊ TERRA NOVA

 

Jesus Cristo carregou sobre si o nosso pecado para que pudéssemos receber perdão. Ele levou trinta e nove surras com azorrague.

AZORRAGUE:

  • Instrumento de tortura usado pelos soldados na Roma Antiga;
  • Era composto por oito tiras de couro. Em cada ponta dessas tiras possuía um pedaço de metal ou de osso de carneiro;
  • Era usado no castigo público que, em alguns casos, o condenado à morte deveria ser submetido.

Qual a implicação dessas surras? O pecado que o Mestre ia recebendo sobre si, à medida em que ia sendo açoitado.

Apesar da resistência em perdoar, precisamos lembrar que na Cruz recebemos o perdão para os nossos próprios pecados. Então, porque não liberar os nossos opressores? Não podemos usar a medida da flexibilidade conosco e uma medida radical para os outros.

“Quando não perdoamos alguém, colocamos essa pessoa na prisão e lá ficamos com ela”

AP. RENÊ TERRA NOVA

 

Não queira ser alguém aprisionado pela falta de perdão. Libere as pessoas que estão presas na sua vida e seja livre, tenha paz no coração e receba a cura para sua alma e até para o seu físico.

Ana Cunha Araújo

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s