Celebre, essa tristeza vai virar alegria

Ester era uma menina órfã, que estava inserida em um contexto de traição. Inicialmente, o rei Xerxes se sente alvo de uma ação nesse sentido – pois esperou que sua esposa, a rainha Vasti lhe obedecesse e aparecesse na festa que ele estava celebrando. Ali ele estava mostrando aos presentes a sua riqueza: o patrimônio, a força de conquista de territórios e pretendia mostrar a mulher que era a sua esposa. Ocorre que a rainha Vasti também estava celebrando uma festa e decidiu não sair de onde se encontrava.

Ester 1:11-12 – ‘O rei ordenou que eles fossem buscar a rainha Vasti e que ela viesse com a coroa de rainha na cabeça. Ela era muito bonita, e o rei queria que os nobres e os outros convidados admirassem a sua beleza. Mas a rainha não atendeu a ordem do rei, e por isso ele ficou furioso.’

Há quem dê razão para a rainha Vasti, entendendo que ela acertou em ter se posicionado dessa forma, mas, uma coisa é necessária lembrar: nós não sabemos em que momento nossa atitude será avaliada e os nossos feitos serão considerados para o julgamento de nossa conduta. Por não ter feito o que era esperado, essa rainha foi tirada do lugar de sua conquista. Seu posicionamento fez com que os conselheiros do rei lhe induzissem a tirar de Vasti o ti de rainha, pois lhe consideravam como alguém que não dava bom exemplo. Mas o rei Xerxes não ficaria sozinho, por isso, passado um tempo ele foi aconselhado a encontrar um outra mulher para estar em posição de governo junto com ele.

Ester 2:3 – ‘Escolha funcionários em todas as províncias e ordene que tragam as moças mais bonitas para o seu harém aqui em Susã, a capital. Hegai, o eunuco responsável pelo harém real, tomará conta delas e fará com que recebam um tratamento de beleza.’

Hoje ainda é assim, o Rei dos reis quer que você governe e que você receba o que é o desejo do seu coração, porque as pessoas precisam de evidências, elas precisam ver que o Senhor faz diferença na vida daqueles que se dispõem a atender ao Seu chamado – assim elas também aspirarão pelo seu Deus.

Ester 2:17-18 – ‘Ele gostou dela mais do que de qualquer outra moça, e ela conquistou a simpatia e a admiração dele como nenhuma outra moça havia feito. Ele colocou a coroa na cabeça dela e a fez rainha no lugar de Vasti. Depois ele deu um grande banquete em honra de Ester e convidou todos os oficiais e servidores. Ele decretou que aquele dia fosse feriado no reino inteiro e distribuiu presentes que só um rei poderia oferecer.’

O Eterno lhe quer vivendo em estado de graça, com o coração voltado para adorá-lo. Ele quer ser desejado pelas pessoas que lhe observam.

Depois de Ester ter sido coroada rainha, ela viveu uma perseguição, com data marcada para acontecer a morte de todo o povo judeu, por meio do decreto publicado pelo rei – objeto da traição de Hamã, que induziu o rei Xerxes a produzir o documento.

Ester 3:8-9 – ‘Hamã foi e disse ao rei: — Por todas as províncias do reino, está espalhado um povo que segue leis diferentes das leis dos outros povos. O pior, ó rei, é que eles não obedecem às suas ordens, e por isso não convém que o senhor tolere que eles continuem agindo assim. Se o senhor quiser, assine um decreto ordenando que eles sejam mortos. E eu prometo depositar nos cofres reais trezentos e quarenta e dois mil quilos de prata para pagar as despesas do governo.’

Em nossa geração a humanidade viveu sob um decreto de morte, com a pandemia da Covid-19. As pessoas não se sentiam à vontade para ter contato nem com seus familiares, para não correr o risco de contraírem a doença ou de transferir o vírus para os outros.

Ester consegue dizer para o rei a luta que seu povo estava passando, e ele, ao tomar conhecimento diz que não pode voltar à trás, é que a solução seria criar um novo decreto.

Ester 8:7-8 – ‘E o rei Xerxes disse à rainha Ester e ao judeu Mordecai: — Eu mandei enforcar Hamã por causa do plano que ele havia feito para matar os judeus e dei todos os seus bens a Ester. Mas uma ordem dada em nome do rei e carimbada com o anel real não pode ser anulada. Porém escrevam o que quiserem aos judeus, assinem em meu nome e selem as cartas com o meu anel.’

O Senhor também nos deu um novo decreto: assim como aconteceu com o povo judeu, nos foi permitido assumir um posicionamento de defesa pela nossa vida.

Ester 9:16-17 – ‘No dia treze do mês de Adar, os judeus das províncias se reuniram e se defenderam. Mataram setenta e cinco mil inimigos e assim se livraram de todos os que os odiavam. Mas não ficaram com os bens dos mortos. No dia catorze, eles descansaram e comemoraram com banquetes e festas. No dia treze do mês de Adar, os judeus das províncias se reuniram e se defenderam. Mataram setenta e cinco mil inimigos e assim se livraram de todos os que os odiavam. Mas não ficaram com os bens dos mortos. No dia catorze, eles descansaram e comemoraram com banquetes e festas.’

Celebraremos de geração em geração os feitos do Senhor por nós. Celebraremos os novos decretos.

Ester 9:21-22 – ‘Nas cartas ele ordenou que todos os anos eles comemorassem os dias catorze e quinze do mês de Adar , pois foi nestes dias que os judeus se livraram dos seus inimigos, e foi neste mês que a tristeza e o luto se transformaram em alegria e festa. Portanto, que dessem banquetes e festas, mandassem comida uns aos outros e distribuíssem presentes aos pobres. ‘

Seja grato pelos livramentos, por cada vez que você foi guardado em meio à luta. Guarde no coração a certeza de que toda tristeza será transformada em alegria.

Pra. Ana Cunha

2 comentários

  1. Concordo em tudo!!! Sem dúvidas Deus tem uma forma individual de trabalhar e alcançar um benefício ao coletivo! Parabéns pela reflexão!!

    Curtir

Deixe uma resposta para Tayna Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s